quarta-feira, abril 12, 2006

Ser Tio é bom demais!

Eu estou em puro extase com o nascimento do meu sobrinho. Não tive o prazer de conhecê-lo mas as suas fotos estão espalhadas por todo o canto da minha casa, desde o espelho do banheiro até a tela de fundo do meu palm.
Pra falar a verdade, ser tio é bom demais e extremamente prático.
O tio é aquele cara descompromissado que aparece nas boas horas, passa contigo os melhores momentos da tua vida, te carrega para as férias na praia, te conta as melhores piadas, te leva assistir aos melhores shows e depois te devolve para teus pais que te encherão o saco por causa do teu quarto desarrumado ou pelas tuas notas baixas na escola.
Meus tios sempre foram meus ídolos. Cada um contribuiu à sua maneira deixando marcas na minha memória, na minha personalidade sem encher o meu sacro santo saco com futilidades.
O Tio Celso é meu companheiro desde minha tenra idade. Me levou pela primeira vez na minha vida ao Interlagos assistir a final da Fórmula 2, me levou pro meu primero show de Rock na vida aos 12 anos e eu pude pular ao som de "I Love it loud" e "Rock'nRoll all nigth", me apresentou o Iron Maiden, o Deep Purple, o Uriah Heep entre vários, daí então eu continuei meu caminho mucical por conta própria. Já estava bem encaminhado.
O Silvinho é meu tio mais novo. Tinha 14 anos quando eu nasci. Com ele eu andei de moto pela primeira vez aos meus 4 anos de idade, conheci de primeira-mão o LP "Abbey Road" dos Beatles nos idos de 72 (deixe-me lembrá-los que os discos eram lançados por aqui dois ou três anos depois de ser lançado na Inglaterra ou em qualquer lugar do mundo). Ficou sabendo que dois moleques roubaram uma pipa minha no parque da Aclimação e, imediatamente, apareceu em casa com um kit completo para fazermos pipas. Passamos o dia cortando papel-manteiga, colando e amarrando barbantes. Fizemos uma frota de pipas modelos variados e coloridos: peixinho, maranhão e barrilete.
O Tio Mão ( alcunha carinhosa para Alemão) me mostrou o lado natural da vida. Com ele conheci Creedence Clearwater Revival, fiquei uma semana correndo pelado num camping selvagem numa praia do Guarujá por volta de 1975. Caguei no mato e num cemitério de pescadores todo esse tempo. Com ele aprendi a amar os bichos tanto quanto aos humanos. O Mão é veterinário e cuidou de todos os meus bichinhos, até da Genoveva que foi uma tartaruga que eu tive e que eu tentei retirá-la do casco na marra. Ela morreu na clínica dele mas ele conseguiu me convencer que ela tinha fugido (imaginem só, uma tartaruga fugindo...).
Como eu gostaria de dar pro João um pouquinho de cada coisa boa que meus tios me deram...
Pensando bem, ainda é tempo. Nenhum tio meu me levou pra zona. Acho que seria de grande valia moral e cívica para o João se ele fosse pela primeira vez pra zona com oito anos de idade acompanhado pelo tiozão aqui. Pra emendar, eu o levarei num boteco na sequência e tomaremos umas boas cervejas. Depois devolvo-o para os pais.
Ele vai sentir o gosto triste da volta ao lar mas ser sobrinho de tio legal não é função fácil.
Eu que o diga.

3 Comments:

At 3:27 AM, Anonymous Irmã do Joe. Mãe do João said...

Vamos apostar corrida? Ver quem leva o João na zona primeiro?

 
At 1:44 PM, Anonymous O primo do Joe said...

Opa!
Eu tô nessa!
Mas...
Pode ser agora? Estava pensando no mês que vem! Não, não! É melhor esperar mais alguns meses até ele começar a andar, mesmo que cambaleando, assim vai dar uma impressão até melhor, vai parecer que está bêbado! Também tem o lance de apontar o dedo para tudo! Acho que ele ainda não está nessa. Vou esperar mais alguns meses. kkk

 
At 3:05 AM, Anonymous Anônimo said...

Faaala, Tiozão! Parabéns! Já foi mt bacana ler seu texto sobre o nascimento do João - agora vamos ter de aguentar o tiozão babão hehehe....
By the way, e o lance da carteira, como ficou?
Beijão!
Karina

 

Postar um comentário

<< Home