quarta-feira, janeiro 24, 2007

Quinquilharias da tecnologia moderna

Houve um tempo na qual a humanidade viveu sem telefone celular, internet, tv a cabo, hometheater, MP3 players ou mesmo computadores pessoais. Juro!
Eu mesmo nasci e me criei nessa época remota onde aparelhos de telefone móveis ou computadores faziam parte de um imaginário popular alimentado pela indústria cinematográfica da ficção científica misturado com os 48 filmes de James Bond.
Passei anos da minha vida sem me imaginar na frente de um computador escrevendo um monte de inutilidades que ninguém lê, anos e anos telefonando em orelhão amarelo com ficha quando precisava falar com alguém urgente e estava na rua e anos gravando meus LP's de minha vitrola para uma fita Basf cor de laranja e depois escutá-los num "walkman" (analógico, claro). Até cartas escritas à mão um dia já enviei!
Confesso que não conseguiria mais viver sem tanta tecnologia ou que, no mínimo, eu teria sérios problemas de readaptação à vida se de um dia para outro o mundo virasse muçulmano, por exemplo, e todos nós tivéssemos que entregar nossos aparelhos digitais ao mulá mais próximo de nossas casas. Porém, confesso também que volta-e-meia eu adquiro alguma quinquilharia que no momento da compra eu imaginava vital para o bom funcionamento do mundo e hoje eu deixo jogada abandonada em algum canto.
Descrevo aqui alguns exemplos e dinheiro jogado no ralo:

Câmera filmadora digital: Não serei totalmente injusto com ela pois ela serviu ao menos para filmar o meu casamento. Por ela ser extremamente leve (o que provoca oscilações), o cinegrafista amador registrou imagens da mesma qualidade que um cameraman iraquiano ferido ao meio de um fogo cruzado registraria.
O formato infeliz que escolhi (pelo preço) é o mini-dv e a captura lenta da imagem quando passada para o computador é o maior motivo pela qual eu desanimei de filmar qualquer merda que fosse.
Em novembro do ano passado eu estive no Brasil, filmei a família, os amigos, as festas e até hoje não passei as imagens para o computador por pura falta de saco. Também não tive saco para ler o manual até o fim e, entre dezenas de efeitos e ferramentas de filmagem, eu só uso duas: "Play" e "Stop".
Palm-Top com GPS: Quando eu lembro de carregar a bateria o GPS ainda é de boa-valia mas teria me saído muito mais barato se eu tivesse comprado só um GPS. O Palm não me serve pra absolutamente nada. Equipado com banco de dados, exel, word, explorer, gravador de vozes e tocador de MP3, o único dado que eu o abasteci foi com meu nome e o meu telefone e nem sei direito o por quê de haver dedicado alguns minutos à essa tarefa. Nunca usei nenhum aplicativo, nunca inseri nenhum endereço ou telefone, nunca fiz nenhuma planilha de cálculo, nunca gravei minha voz, nunca usei-o para ouvir músicas e nunca chequei meus mails nele. Mal e mal eu consigo encontrar os lugares que eu peço para que ele me guie, isso se ele não me coloca numa rua contra-mão. Tenho certeza que a voz que me manda virar à direita ou esquerda é a de uma loira, e das burras, se for possível isso.

Celular Sony Erikson Z530i com kit Bluetooth: 26 mb de memória interna, agenda de compromissos, câmera digital integrada de 3 mp, tocador de MP3 e mais um montão de bobageira que eu desconheço até por não ter lido o manual, como sempre. Não preciso nem apertar qualquer botão para atender ou desligar uma chamada já que essa ação se dá automaticamente com o abrir e fechar do flip-top, ou seja, nada diferente de quando eu possuía um velho tijorola da telesp pago em 12 vezes sem juros.
Não satisfeito com a aquisição que me é inútil, acrescentei ao pacote o Kit Bluetooth ou "Mãos Livres" pela bagatela de somente apenas 68 euros a mais. Resultado: mais um utensílio abandonado em algum lugar devido à total falta de uso. Pensei na utilidade desse kit quando comprei-o: poder falar sem problemas enquanto estivesse dirigindo, sem riscos de acidentes e sem risco de multas. Incrivelmente meu telefone NUNCA mais tocou enquanto eu estivesse ao volante e, incomodado pelos olhares assustados das pessoas que me viam "falando sozinho" em shoppings ou restaurantes, resolvi aposentar essa merda de vez . Isso sem falar que era mais um entre centenas de aparelhos que eu tinha que lembrar de carregar a bateria a cada três dias.

Minha próxima quinquilharia eletrônica será um PSP (Play Station Portable) da Sony. O intuito de adquirí-lo se dá ao fato de que eu gostaria de tornar mais agradável minhas cagadas-remuneradas (cagadas efetuadas durante o horário de trabalho).
Acredito que ele será tão útil quanto o papel higiênico mesmo que, no fundo algo me diz que o jogo Tétris do meu celular cumpre muito bem a função de me entreter enquanto estou ao vaso e meu futuro PSP risca de terminar seus dias em uma caixa de papelão enrolado no seu carregador e em companhia de todos os ítens da lista acima...

4 Comments:

At 4:53 PM, Anonymous Fab Fucker said...

Quem te viu quem te vê, hein Joe! Alguns anos atrás estávamos contando moedinhas pra comprar cerveja no indiano em Mile End. Mas afinal de contas não é só a tecnologia que pode progredir não é. Pôôôrra! (Como diria nosso velho amigo polonês!)

 
At 5:22 PM, Blogger Joe Bass said...

Poatz Fab Fucker, lembra daquela pizza de 99 pences?

 
At 11:58 AM, Blogger Melissa said...

Ah fala serio. PSP sucks. Compra um DS - diversao garantida. Jogos melhores, suporte melhor e ainda vem em rosa!!!! (tem outras cores tbm, mas o meu rosa eh mais lindo.)

 
At 3:21 PM, Blogger Guilherme said...

De todos os aparatos no texto descritos, o PSP eh a unica quinquilharia F-U-N-D-A-M-E-N-T-A-L para a continuacao e melhoramento da humanidade! Util nos momentos de cagadas remuneradas e, qdo vc adquirir hemorroidas pelo excesso de tempo sentado no vaso, o PSP sera tbem util na cama de operacoes do hospital! Do comeco ao fim! E qdo vc menos espera, vc tira os olhos do PSP e jah se passaram 50 anos! Vc nao precisou comer, dormir nem trabalhar. Passou a vida quietinho sem incomodar ninguem!
PSP EH O NIRVANA!!!

 

Postar um comentário

<< Home